segunda-feira, 30 de novembro de 2009

EU ADORO RECLAMAR E RESMUNGAR DA MINHA VIDA. ADORO VER TODOS OS LADOS NEGATIVOS QUE ELA TEM. ADORO CULPAR OS OUTRO POR PROBLEMAS QUE SÃO MINHA CULPA. ADORO MINIMIZAR OS PROBLEMAS ALHEIOS DIANTE DOS MEUS. ADORO FALAR MAL. ADORO PENSAR COMO ALGUMAS PESSOAS SÃO IDIOTAS/IMBECIS/INÚTEIS/IRRITANTES. ADORO MANDAR AS PESSOAS SE FUDEREM OU IREM PARA A PUTA QUE PARIU. ADORO FALAR PALAVRÃO. (...)











e ainda tem gente que gosta de mim, rs

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

ACABOU, ACABOU (8)



Eu reli alguns posts que tinha feito sobre o vestibular e sobre o quanto a preparação foi cansativa, como eu me estressei, como eu fiquei fazendo cobranças a mim mesma.

Agora que passou, eu me sinto realmente bem. Fiz o melhor que eu pude e achei as provas realmente mais fáceis do que eu imaginava. Tô um pouco confiante, mas que seja feita a vontade de Deus, seja qual for.

Uma sensação que não me abandona mais é a de ócio. Minha vida estava tão corrida que agora eu não sei o que fazer com o meu tempo vago. Preciso de livros novos... bem que eu podia ler Lua Nova para estar com os fatos fresquinhos e fazer uma boa comparação com o filme, mas ando meio cansada dos livros de Crepúsculo. Queria mesmo bons livros de horror para ler. E queria que os preços fossem mais acessíveis, também.

Enfim, agora falta o ENEM. Mas comparado com a tensão do vestibular da UFRN, o ENEM não parece nenhum pouco ameaçador :)

" mas ah, você não pode ser santinha pra sempre.
tem que começar a chegar tarde em casa.

qualquer coisa você diz pro seu pai assim oh:
-pai eu vou chegar tarde..
e ele vai dizer:
-não mesmo mocinha, antes da meia noite!
então você diz:
-mas pai eu vou com o will
e ele:
-ah então tá bom..!

HAHAHA ".




vou te esperar no sábado, às 21:00 com a minha calça Dolce & Cabana e você com o teu tênis Hike usado só em ocasiões especiais. de surpresa vou te comprar um Adibas de presente.
ai, como eu sinto a tua falta!

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

I'M TIRED OF WAITING,
BUT I'M MISSING WAY TO MUCH.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Eu percebi o tanto de posts fúteis que eu já fiz aqui, o que reflete os meus pensamentos... Cheguei a conclusão que na maior parte do tempo tenho pensamentos fúteis, além de egoístas.

E por falar em egoísmo...

Eu cansei de pessoas que não reconhecem e não dar valor merecido as pessoas ao redor, que muita vezes tentam fazer de tudo para ver o outro feliz. Cansei de ver gente reclamando da vida o tempo todo, esperando que os outros tomem uma iniciativa quando a própria pessoa não faz o mesmo.

Todo mundo tem problemas, alguns graves e outros nem tanto. Mas quer saber? Somos nós mesmos que damos tamanho aos nossos problemas. Que adianta fazer um bicho sobre como você se sente sozinha(o) se você mesma(o) não procura a companhia de ninguém? Quer dizer então que as pessoas que devem ir à sua procura, e não o contrário?

Eu não sou a pessoa mais indicada para escrever sobre isso. Mas, muitas vezes sou EU que procuro a companhia das pessoas e não o contrário. Qual o problema em tentar fazer o mesmo?

Então... Que tal parar de olhar sempre pro próprio umbigo? Que tal tentar ver as coisas boas ao redor? Que tal tentar viver mais na realidade?


Eu acho que não preciso me referir a um alguém específico. Basta um só pouco de noção para saber de quem se trata.
And you... I wish I didn't feel for you anymore.

domingo, 15 de novembro de 2009

15.11.2008, Arena - Fortaleza - CE

Tudo começou com os boatos, no final de 2007/começo de 2008, de que o Nightwish viria para o Brasil, e o que era melhor, passariam pelo Nordeste. A tensão começou daí. Foi então que pouco antes do meio do ano, acho, a confirmação estava lá, no site oficial. A emoção foi grande ao ver dois lugares possíveis de ir.

Depois, o desespero por não ter quem comprasse os ingressos no local mais próximo: Recife. A salvação caiu do céu, uma família amiga que morava em Fortaleza podia comprar, e foi o que fizeram.

Eu não vi o meu ingresso até o dia que cheguei em Fortaleza. Ir pra lá foi como um bônus: além de assistir ao show, reencontraria com o Ávila, os pais e irmãos dele.



Eu nunca me senti tão aflita, ansiosa, esperançosa e desesperada quanto eu me sentia no ônibus, a caminho de Fortaleza. Eu não consegui dormir na noite anterior a viagem, e na sexta-feira dia 14, eu estava de pé as quatro da matina. Meu pai foi deixar eu e a minha mãe na rodoviária às cinco, e o ônibus saiu às 5:15. Foram cerca de nove horas de viagem. Eu não conseguia parar de pensar no show, se conseguiria um autógrafo, uma palheta ou qualquer coisa.

Chegamos lá bem depois do almoço, quase duas da tarde e o nosso casal amigo foi nos buscar na rodoviária. Reencontrar com os meninos foi a coisa mais linda! Ver o quanto estavam diferentes. Foi difícil dormir de sexta para sábado, também.

No sábado pela manhã passeamos um pouco por Fortaleza, e fomos almoçar na casa dos pais do casal. Saímos de lá umas 3:30 e fomos pra casa pra podermos nos arrumar (eu, na verdade. minha mãe não tava se importanto muito com nada, rs). Chegamos em frente ao Arena quase 4:30 e o meu medo era de que a fila estivesse gigantesca! Para minha felicidade, haviam cerca de 13 ou no máximo 20 pessoas na minha frente (acho que nem isso, rs). Minha mãe se enturmou antes de mim, como de custume HAHA Mas conheci pessoas muito legais lá, pena não ter contato com todas elas.

Meu coração só faltou sair pela boca quando o som começou a ser passado (uns meninos bêbados começaram a cantar "heaven queen, carry me away from all pain" e eu empolgada cantei baixinho "all the same, take me away, we're dead to the world" haha inesquecível). Depois das 7:00 da noite a fila já estava imensa³, e foi ótimo poder observar toda uma variedade de pessoas e de estilos ali. Vários cabelos lindos de morrer, aiai /parei

Pouco antes das oito horas, o pessoal começou a ficar agitado: os portões iriam ser abertos. Eu me desesperei, não queria ficar num lugar ruim. Enfim, não deixei ninguém furar fila na minha frente e depois de ser revistada pela segurança, olhei pra frente e lá estava: UM LUGAR EXATAMENTE DE FRENTE PRO TECLADO! Eu pensei que só podia ser destino e corri como nunca corri antes na vida. Pulei um lance de escadas pra não perder tempo, deixando a minha mãe para trás. Indescritível a sensação de sentir os braços apoiados na grade, rs. Fiquei com os meninos que conheci na fila dos meus lados direito e esquerdo. Minha mãe ficou atrás de mim. Não demorou muito para começar o empurra-empurra. Passei a tirar fotos do palco loucamente. Até vi o Ewo no ladin do palco assim. Gritei, mas ele não ouviu, claro.

Confesso que não prestei muita atenção nas três bandas de abertura. Só sei que na terceira, todo mundo já estava gritanto: Nightwish! Nightwish! Nightwish! E que a segunda tinha um vocal masculino bom bagarai.

As luzes do palco apagaram e eu gritei em coro junto com o restante da platéia. Meu Deus! Meu coração batia MUITO RÁPIDO. "Olê, olê, olê, olê! Nightwish! Nightwish!" Quando o Jukka apareceu eu só conseguia dizer "PUTAQUEPARIU! O JUKKA!" Depois entraram Emmpu e Marco, seguidos por Tuomas (gozei, rs) e finalmente Anette. Eu estava histérica. Não conseguia para de sorrir, e eu cantei GRITANTO t o d a s as benditas músicas.

Eu recebi um pouco de atenção de todos, menos do Jukka, rs Eu não parava de gritar o nome do Tuomas... e o do Emppu, quando ele vinha pra perto do Tuomas.
No calor do momento, numa das vezes que Emppu veio agradar o pessoal que tava do lado esquerdo do palco, eu gritei o nome dele com toda a força que eu pude (o segurança riu até), ele olhou e me deu o sorriro mais lindo desse mundo *-* Depois, não sei se nessa vez, ele estendeu a mão um pouquinho e jogou uma palheta. Deu vontade de amputar todas as mãos que ficavam mais longe que a minha, mas sabe Deus como, eu consegui a palheta. Foi tanta surpresa que eu meti ela dentro do sutiã, haha. Emppu riu de mim, oi /morri
Eu nunca gritei tanto, nunca sorri tanto, nunca fiz tanto esforço e nunca fui tão feliz.


Mas de todos os momentos maravilhosos de atenção deles, mesmo que pequena direcionada a mim, NENHUM foi mais surreal quando ter a atenção do Tuomas. Sabe o que é ter o ídolo olhando nos teus olhos? E o pior (ou melhor, rs) de uma forma tão avassaladora, que eu MORRI de vergonha e não sustentei o olhar! Virei o rosto e olhei pro Marco, rs. Alguém pode até duvidar que ele olhou para mim (mas eu era a única mulher na grade do lado esquerdo, pelo que eu sei. e tinham vários caras atrás de mim e da minha mãe e), mas cara, a minha mãe percebeu! Eu escutei ela gritando no meu ouvido "Filha, ele tá olhando pra você!"
Eu pago pau pra ele mesmo, nunca neguei para ninguém, mas eu não sou de inventar fatos que não aconteceram. E ele olhar pra mim aconteceu, de verdade! E nunca ninguém olhou para mim como ele olhou, isso é o melhor de tudo. Talvez esse seja um dos motivos que vão me fazer lembrar disso para sempre.
Ele jogou duas garrafinhas e uma toalha bem perto de mim (e não sei, pode ser que não, mas parecia que foram jogadas pra mim), mas foram tantas mãos querendo pegar que eu só tomei um banho d'água de uma das garrafas, rs. Os dois meninos que estavam logo atrás de mim na fila, cada um pegou uma garrafa e uma toalha. E eles estavam do meu lado esquerdo na grade. No fim do show eu e minha mãe ainda oferecemos 200 paus pela garrafa ou pela toalha (pela toalha principalmente) mas eles não quiseram fechar negócio, coisa que eu entendo completamente. Se fosse eu, também não venderia. Só queria saber o quão rasgada ficou a camisa que ele tava usando e jogou pro pessoal, rs.
Enfim, esse post foi razoavelmente grande. Eu poderia continuar escrevendo o quanto foi emocionante e inesquecível. O quanto eu estava cansada depois de nove horas em pé na fila e no show, lutando pra não perder o meu lugar. O quanto eu chorei de raiva depois que cheguei em casa e vi que se eu não tivesse recusado o pedido do tio Honório pra ir ver a praia, eu poderia ter encontrado com o Tuomas e conhecido ele frente à frente. O quanto foi chato voltar à realidade. Eu poderia continuar dizendo muita coisa, mas eu cansei de digitar, rs.
De novo, foi o dia mais feliz, inesquecível e memorável da minha vida. Eu mal posso esperar para poder vê-los de novo, desse vez perseguindo em todos os lugares para conseguir foto junto.
Obrigada, Nightwish, por existir e por ter me proporcionado ser tão sinceramente feliz. Eu realmente amo vocês! *-* /cryariver

sábado, 14 de novembro de 2009

Hoje, é assim.

Talvez alguém se chateie ou magoe com esse post, mas eu criei esse blog pra escrever TODAS as coisas que eu quero, como uma forma de desabafar. E de qualquer forma, não é nada pessoal... é somente o que eu sinto nesse exato momento.

Eu sinto muita falta de ter alguém que eu possa compartilhar e falar sobre (EXATAMENTE) tudo. Eu sei que eu tenho ótimas amigas, mas eu sinto falta de uma melhor amiga que me entenda por completo. Que venha dormir na minha casa e que eu possa dormir na dela. Que eu possa falar de todas as coisas que eu gosto, e ver que ela realmente dá a atenção merecida. Que morra de rir com as coisas mais estúpidas que eu falar. Que fale sacanagem comigo (haha), que brigue de verdade, e que me aconselhe. Sinto falta de ter alguém só pra passar uma tarde junto, escutando música, compartilhando os sonhos e as esperanças, as angútias e as dores. Sinto falta de alguém que possa ficar em silêncio junto comigo, sem se sentir desconfortável, ou com uma necessidade de preencher o silêncio. Sinto falta de ter alguém pra tomar refrigerante e arrotar comigo depois. De falar palavrão, de gritar, de fazer coisas estúpidas e banais. Sinto falta de alguém que me complete numa amizade duradoura e verdadeira. Sinto falta de receber abraços e beijos sem motivo. Falta de alguém me fazendo rir ou que me abrace sem precisar dizer nada pra me confortar, quando as coisas parecerem perdidas. De alguém que entenda o que eu quis dizer só com um olhar, um gesto, uma palavra.

Eu tenho amigas maravilhosas que tentam fazer algumas dessas coisas, muitas vezes. E eu as amo indescritivelmente por isso, mas eu ainda sinto falta (e não é culpa delas que eu me sinta dessa maneira). Elas me completam parcialmente. Ainda tem um buraco em mim sem complemento. É como se eu tivesse perdido uma parte importante de mim, ou como se eu na verdade nunca a tivesse encontrado e só percebesse agora.

Durante os meus 17 anos de vida eu já perdi muita gente. Muita gente mesmo, muitas que eu gostaria de ter do lado até hoje. Mas eu entendo que isso é normal, natural. Mas não deixo de pensar sobre elas, e no que eu pude aprender.

Eu já pensei muitas vezes em ser mais reservada. Aliás, em não contar nada pra ninguém, mas eu acho isso algo muito difícil de fazer. Eu não conseguiria nunca, mesmo que eu tentasse. Seria muito peso. Como todo mundo, é óbvio que eu tenho segredos que nunca contei pra ninguém, e pretendo continuar com eles até o dia que eu me for, mas acho que os tenho já a tanto tempo que eles não pesam muito mais.

Enfim, é assim que eu me sinto hoje, agora: sozinha, infeliz, deixada de lado e incompleta.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Satânia

Nua, de pé, solto o cabelo às costas,
Sorri. Na alcova perfumada e quente,
Pela janela, como um rio enorme
De áureas ondas tranqüilas e impalpáveis,
Profusamente a luz do meio-dia
Entra e se espalha palpitante e viva.
Entra, parte-se em feixes rutilantes,
Aviva as cores das tapeçarias,
Doura os espelhos e os cristais inflama.
Depois, tremendo, como a arfar, desliza
Pelo chão, desenrola-se, e, mais leve,
Como uma vaga preguiçosa e lenta,
Vem lhe beijar a pequenina ponta
Do pequenino pé macio e branco.
Sobe... cinge-lhe a perna longamente;
Sobe... - e que volta sensual descreve
Para abranger todo o quadril! - prossegue.
Lambe-lhe o ventre, abraça-lhe a cintura,
Morde-lhe os bicos túmidos dos seios,
Corre-lhe a espádua, espia-lhe o recôncavo
Da axila, acende-lhe o coral da boca,
E antes de se ir perder na escura noite,
Na densa noite dos cabelos negros,
Pára confusa, a palpitar, diante
Da luz mais bela dos seus grandes olhos.
E aos mornos beijos, às carícias ternas
Da luz, cerrando levemente os cílios,
Satânia os lábios úmidos encurva,
E da boca na púrpura sangrenta
Abre um curto sorriso de volúpia...
Corre-lhe à flor da pele um calefrio;
Todo o seu sangue, alvoroçado, o curso
Apressa; e os olhos, pela fenda estreita
Das abaixadas pálpebras radiando,
Turvos, quebrados, lânguidos, contemplam,
Fitos no vácuo, uma visão querida...
Talvez ante eles, cintilando ao vivo
Fogo do ocaso, o mar se desenrole:
Tingem-se as águas de um rubor de sangue,
Uma canoa passa... Ao largo oscilam
Mastros enormes, sacudindo as flâmulas...
E, alva e sonora, a murmurar, a espuma
Pelas areias se insinua, o limo
Dos grosseiros cascalhos prateando...Talvez ante eles, rígidas e imóveis,
Vicem, abrindo os leques, as palmeiras: Calma em tudo.
Nem serpe sorrateira
Silva, nem ave inquieta agita as asas.
E a terra dorme num torpor, debaixo
De um céu de bronze que a comprime e estreita...
Talvez as noites tropicais se estendam
Ante eles: infinito firmamento,
Milhões de estrelas sobre as crespas águas
De torrentes caudais, que, esbravejando,
Entre altas serras surdamente rolam...Ou talvez, em países apartados,
Fitem seus olhos uma cena antiga: Tarde de Outono. Uma tristeza imensa
Por tudo. A um lado, à sombra deleitosa
Das tamareiras, meio adormecido,
Fuma um árabe. A fonte rumoreja
Perto. À cabeça o cântaro repleto,
Com as mãos morenas suspendendo a saia,
Uma mulher afasta-se, cantando.
E o árabe dorme numa densa nuvem
De fumo... E o canto perde-se à distância...
E a noite chega, tépida e estrelada...
Certo, bem doce deve ser a cena
Que os seus olhos extáticos ao longe,
Turvos, quebrados, lânguidos, contemplam.
Há pela alcova, entanto, um murmúrio
De vozes. A princípio é um sopro escasso,
Um sussurrar baixinho.. . Aumenta logo:
É uma prece, um clamor, um coro imenso
De ardentes vozes, de convulsos gritos.
É a voz da Carne, é a voz da Mocidade,- Canto vivo de força e de beleza,
Que sobe desse corpo iluminado...
Dizem os braços: "- Quando o instante doce
Há de chegar, em que, à pressão ansiosa
Destes laços de músculos sadios,
Um corpo amado vibrará de gozo? -"E os seios dizem:
"- Que sedentos lábios, Que ávidos lábios sorverão o vinho Rubro, que temos nestas cheias taças?
Para essa boca que esperamos, pulsa
Nestas carnes o sangue, enche estas veias,
E entesa e apruma estes rosados bicos...
-"E a boca: "- Eu tenho nesta fina concha
Pérolas níveas do mais alto preço,
E corais mais brilhantes e mais puros
Que a rubra selva que de um tino manto
Cobre o fundo dos mares da Abissínia...
Ardo e suspiro! Como o dia tarda
Em que meus lábios possam ser beijados,
Mais que beijados: possam ser mordidos -"

Mas, quando, enfim, das regiões descendo
Que, errante, em sonhos percorreu, Satânia
Olha-se, e vê-se nua, e, estremecendo,
Veste-se, e aos olhos ávidos do dia
Vela os encantos, - essa voz declina
Lenta, abafada, trêmula...Um barulho
De linhos frescos, de brilhantes sedas
Amarrotadas pelas mãos nervosas,
Enche a alcova, derrama-se nos ares...
E, sob as roupas que a sufocam, inda
Por largo tempo, a soluçar, se escuta
Num longo choro a entrecortada queixa
Das deslumbrantes carnes escondidas...













(Olavo Bilac)

sábado, 7 de novembro de 2009

i still see your reflection inside of my eyes ♥


Eu sei que não é "hora" ainda, mas daqui a oito dias fazem um ano desde que eu te vi.
Um ano desde o dia mais feliz de toda a minha vida.
Um ano do dia mais perfeito que eu podia ter, dada as circunstâncias.
Um ano desde que tu me lançou aquele olhar desconcertante, que me fez ficar sem saber o quê fazer e quase morrer de vergonha.
Um ano desde que tu jogou uma toalha e uma garrafinha d'água e eu não consegui pegar.
Um ano que eu lembro todos os dias, de como você é lindo e de como é sincero e comprometido com o quê faz.
Um ano desde que eu pude confirmar quase todas as minhas suspeitas.
Um ano de um sonho realizado.
Um ano de saudades.
Eu vou esperar pra te ver de novo.
Dessa vez, com direito a um abraço, uma foto, um autógrafo e um tour por um quarto de hotel Q

'' I know I'll see you...

... whetever far or soon.
But I need you to know that I care,
and I miss you ''.


Ontem eu recebi umá ótima notícia, justamente quando uma parte de mim já estava começando a perder a fé. Ele vem e eu não consigo acreditar! Eu quero dizer... parece tão real, tão definitivo que pode ser mentira, ou ser só um sonho *-* Mas eu espero que se for um sonho, eu não acorde nunca rs /clichê

Eu parecia muito imbecil ontem... deitei na cama pra dormir, mas fiquei imaginando mil e uma situações e acabei tendo uma crise de riso o.o rs

Eu só tenho que esperar um pouco mais... E ELE VEM! Meu Deus! Ele vem! /parei
Ocorreu um erro neste gadget