There's always something behind her eyes.

sábado, 23 de janeiro de 2010

THE END

Não vou mais usar esse blog. Ele ficou inútil mesmo.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.




carlos drummond de andrade.
i wish i could just make you turn around,
turn around to see me cry.
there's so much i need to say to you,
so many reasons why
you're the only one who really knew me at all.

but to wait for you, is all i can do
and that's what i've gotta face
take a good look at me now, 'cause i'll still be standing here
and you coming back to me is against all odds
and that's what i've got to face.

take a look at me now.



against all odds (take a look at me now), phil collins

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

cuz everything you do and words you say,
you know that it all takes my breathe away
and now i'm left with nothing.

cuz when i close my eyes i drift away,
i think of you and everything's ok.




# two is better than one, boys like girls.

















só porque hoje eu tô tremenda e completamente gay, beijos ;*
será que eu exagero quando digo que tenho fome de você ?

domingo, 10 de janeiro de 2010

mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

continuamente vemos novidades,
diferentes em todo da esperança,
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem, se algum houve, as saudades.

o tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria,
e em mim converte um choro o doce canto.

e, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.












Camões.
Sou um monte intransponível no meu próprio caminho.










C.L.
Ocorreu um erro neste gadget